quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Mercado Surf - Self-service de pranchas

Estamos hoje habituados a forma tradicionalíssima de consumir pranchas e que ha décadas reina como a mais usual, desde que foi conhecido o bloco de poliuretano e suas propriedades que se encaixavam perfeitamente ás necessidades do mercado surf,quando no Brasil a moda era numa garagem o surfista shapear sua própria prancha mas, nem todos tinham o dom e logo os mais habilidosos na arte de dar forma a prancha mágica se destacaram,alguns são celebres nomes no meio surfístico até hoje como Rico de Souza e Otávio Pacheco que estiveram entres o desbravadores da arte do shape no brasil.

A Primeira oficina data de 1965 em São Conrado –RJ pelas mãos do Coronel Parreiras que quatro anos depois seria o pioneiro na utilização dos blocos Clark Foam primeira espuma de poliuretano do mundo destinada a fabricação de pranchas, é aqui que nasce o formato da encomenda como conhecemos hoje onde o surfista “tenta” transmitir o que ele deseja de uma prancha pro shaper (que vai fabricá-la) e que ainda prevalece no nosso país , passamos nesse tempo por muitas evoluções ,quase todas tendências internacionais resultantes da busca incessante pela performance encabeçadas pelos top- surfers mundiais e acompanhadas por seus admiradores, 1976 Peter Townned foi o primeiro campeão mundial ainda com uma single fin,em 1979 Mark Richards e seu shaper havaino Reno Abelira dão origem as bi quilhas que colocaram Mark no mais alto lugar no pódios dos mais importantes campeonatos pelos quatro anos seguintes redefinindo assim o surf com performances modernas em ondas como: pipeline, Sunset, back Door e Off the Wall.

Em 1985 outra evolução significativa ,surgem as mais populares e versáteis pranchas da história do surf as atuais triquilha,em 1992 tem início a era Slater/All Merrick que tem determinado muitas evoluções da hidrôdinámica para o surf,dentre elas as quilhas de encaixe que possibilitam ao surfista obter da mesma prancha bons desempenhos em diferentes condições de onda, outro marco foi a maquina de shape computadorizada responsável por essa transformação pela qual o mundo do surf passa neste momento, no Brasil iniciou-se pelo sul e em breve nós cearenses poderemos usufruir.

A usinagem do bloco no computador possibilita produzir pranchas com modelos pré –definidos e funcionalidade idêntica mesmo que com pequenas variações de tamanho é a nova tendência ,exemplo: você pode escolher uma prancha DHD modelo Mick Fanning, mesmo você não pesando os mesmo 73 kilos que ele pesa .

O sistema Digital shape design vai adequar proporcionalmente a 6 pés que o Mick Fanning usa a sua altura ,peso e tamanho do pé, possibilitando assim que o funcionamento da prancha seja potencialmente parecido ,e tornando a margem de erro num shape quase nula , quando cliente preferir personalizar todas as medidas e não utilizar-se de nenhum pré-shape elaborado as medidas por ele utilizadas ficarão eternizadas e nas próximas pranchas será possivel repeti-las ou aperfeiçoá-las conforme desejado,mas a maior revolução será o que chamo de Self-Service de shape; O que é isso?

Aos poucos grandes fabricantes cada vez mais adeptos da maquina e do sistema DSD vão produzir em larga escala pranchas perfeitas e adequadas a todo tipo de surfista do mais iniciante ao mais top , do mais leigo ao mais especializado,do mais conservador ao mais inovador , e todo tipo de onda também ,assim será possível entrar em uma loja de surf e lá já existirá uma prancha a sua cara, driblando o transtorno da espera de vários dias ,as vezes até uma mês ou mais, a escolha contará com a ajuda de um especialista ,profundo conhecedor do funcionamento de cada modelo pra ajudá-los na escolha adequada, no velho mundo isso já é realidade, no rio as surf shops já disponibilizam essa variedade de modelos trazendo comodidade a seus clientes, não que as encomendas sejam extintas mas será que você entrando numa verdadeira loja para surfista com 150 modelos de pranchas perfeitas com toda a qualidade já alcance dos seus olhos :o formato, a laminação ,o acabamento tudo estará como você gosta é só colar o deck e cair na água, será que alguém tem esa consciência ou vai preferir esperar?

Texto: Junior Pezão icarai / surfway
Fonte:
Conexão Surf

Um comentário:

Júnior disse...

Esse texto é fruto de uma pesquisa sobre as tendencias do mercado exterior ,tendencias essas que geralmente copiadas por aqui ,tanto que algumas lojas brasileiras já possuem estoques de inumeros modelos de pranchas sejam elas fisher's hot-board's ,fun-board long eoutros modelos ,em diferentes medidas pra diferentes tipos de surfista com habilidades, gostos e perormances diferentes. O que traz ao cliente a comodida de escolher a prancha perfeita para sí e ja cair no mar.